Skip to main content


 
"O filme é capaz de levar o público a gostar dele pelos motivos errados, pelos motivos que mantêm a desigualdade social na América Latina. Será que não é possível imaginar resistências e frustrações advindas da exploração do trabalho doméstico?"



 
"A economia argentina vai tão mal, mas tão mal, que Macri conseguiu o impensável: hoje sua figura consegue ter maior reprovação eleitoral do que Cristina Kirchner nas eleições passadas".





 
Você já tem perfil na Diaspora, no Mastodon, na Friendica ou na Pump? Acabamos de lançar nossos perfis nestas redes. Conte aqui sua experiência com elas! Veja nossos perfis e o que pensamos sobre redes federadas/distribuídas:



 



 
"Muitos companheiros voltam pra suas casas dopados de remédios pra dor muscular, chegam pra trabalhar tomando remédio e vive pra trabalhar num ambiente que só mata." Leia mais no relato de um trabalhador da Pirelli Campinas: https://passapalavra.info/2019/05/126484/



 
"Pois bem, se essa não é a pauta deles, é a nossa. Trinta e quatro famílias vão ser afetadas, tô falando de por comida na mesa e pagar conta pra sobreviver. Tô falando de gente, PESSOAS, demitidas, arrasadas, preocupadas".



 
Estamos apostando agora numa migração parcial de nossa presença na internet para redes sociais federadas, e esperamos que outras iniciativas de comunicação semelhantes ou próximas ao Passa Palavra sigam caminhos parecidos ao nosso:



 
"É assim que os estagiários de arquitetura são tratados, são mal remunerados, apesar de executarem todo o trabalho dos escritórios. Não têm direitos, só deveres! São mão de obra barata! Pior que existe regulamento, mas ninguém se importa".



 



 
"Um amigo chegou a dizer, emocionado ao chegar em uma das lindas lojas, que parecia um império. E é, a seu modo, e como todo império, sobrevive a custa do suor e da dor dos seus".



 
"Isso cria um ambiente escroto onde todo mundo passa a perna em todo mundo (...). Quando cliente reservava peça e vinha buscar no horário que a pessoa que lhe atendeu não estava, minha nossa senhora. Era dedo no cu e gritaria". Por @deboranis



 



 
Para qualquer sindicalista, o objetivo final traçado pelos trabalhadores da Livraria Cultura soa muito estranho: serem demitidos sem justa causa.



 
"Ele era o cara que dava a cara a tapa. 'Salário veio errado' e ele já estava lá no RH questionando. 'Loja era obrigada a fechar no feriado mas queriam abrir' e ele quem chegava lá com a convenção coletiva". Por @DAlivreira



 
Pelos noticiários, conhecemos apenas o ponto de vista dos patrões, enquanto o cotidiano de exploração dos trabalhadores quase sempre passa despercebido. Para mudar isso, existimos. Segue aqui segunda parte da entrevista "Pacto de Mediocridade":